PROJETO CUIDANDO DO CUIDADOR

Vivencia O Construtor Cego – realizada no Centro de Convivência de Curitiba PR)


O projeto Cuidando do Cuidador iniciou-se junto a Fundação Alphaville em agosto de 2006 durante o encontro das Coordenadoras dos Centros de Convivência em São Paulo. Nesta data realizamos uma vivência com o grupo levando-as a percepção e consciência da importância do auto cuidado, se nutrindo, fortalecendo, se enchendo de energia para mais pura e verdadeiramente poder se doar, cuidar do outro e principalmente das demandas exigidas pelas Comunidades.


A partir desta data iniciamos um trabalho individual com cada coordenadora dando apoio aos grupos de cada Centro de Convivência, realizando visitas, atendimentos e vivências com o intuito principal de fortalecer a energia das Coordenadoras através do sentimento de estarem sendo cuidadas, ouvidas em seus medos e incertezas, um compartilhar vivencial buscando junto com cada uma seu poder pessoal e lhes mostrando mecanismos e ferramentas para que sozinhas em sua individualidade pudessem acessar esta força mesmo que distante da matriz. Uma força motriz que tira o foco de qualquer problema ou dificuldade, o que neste meio exige muito cuidado.


Após ter visitado cada Centro um relatório foi solicitado a cada Coordenadora com a seguinte pergunta: O que é pra você o projeto Cuidando do Cuidador? E as respostas foram?


O projeto cuidando do Cuidador é para mim algo muito especial, porque acredito muito que quando as pessoas estão felizes a energia flui com muito mais força e de uma maneira muito melhor. E ainda que para cuidar, de alguém você precisa estar bem, feliz, equilibrado e conectado com o seu EU (Mônica Picavea – São Paulo)


O nosso dia a dia é bastante agitado e os desafios são grandes, há dias de euforia completa com os resultados dos projetos e dias com problemas que parecem não ter fim. Além do desgaste físico do acumulo de atividades, há também o desgaste emocional. Para mim o cuidando do cuidador auxilia a entender nosso cotidiano e a procurar o equilíbrio necessário para entender as variações do nosso trabalho e a buscar nossa qualidade de vida (física e emocional) (Luciana Lopes – São Paulo)


É um processo importante no equilíbrio pessoal – físico e psíquico- se assim posso considerar, de pessoas que atuam em atividades que lidam, quase que diariamente, com as dificuldades mais sensíveis das pessoas. Suas formações familiares, suas frustrações pessoais, suas carências materiais, e por ai vai. Então, como estabelecer uma ponte de auxilio as conquistas alheias sem cuidar das nossas? E é assim que vejo este projeto ‘cuidando do cuidador’, uma etapa fundamental para que possamos aprender a nos cuidar e só então, cuidar de forma efetiva do outro. (Débora Silva – Salvador)


Para mim este projeto é antes de tudo, um indicativo de que a Fundação se preocupa não só com as comunidades em que está presente, mas também com as pessoas que estão trabalhando com estas comunidades no dia-a-dia. Trabalhar com as comunidades é um prazer enorme, mas é também um trabalho exigente porque, a todo o momento, testa a nossa perseverança, testa a nossa paciência, testa o nosso desprendimento, testa o nosso desapego, testa a nossa capacidade de realização, testa uma infinidade de atitudes que devemos ter ou não. Isto geralmente acontece porque este é um trabalho que não é pautado por regras e procedimentos pré-estabelecidos, porque é um trabalho com dezenas de pessoas que precisam estar sempre motivadas, porque é um trabalho que tem como base a construção de relações comunitárias e a transformação das realidades precárias de vida humana. Muitos possuem uma visão romântica a respeito do que seja uma comunidade, associam o nome comunidade a um espaço de convivência harmônica e integrada, ou percebem-na como um bloco homogêneo, onde os interesses são convergentes. Mas na realidade, as comunidades são compostas por uma multiplicidade de interesses na maioria individuais e diversos conflitos explícitos ou camuflados. Enfim, o trabalho é árduo e ter alguém para nos acompanhar nessa empreitada é fundamental. (Mirian Sewo – Cuiabá)

O projeto faz com que pensemos mais na extensão do trabalho, que não se limita só a pessoas do nosso convívio diário, e sim que podemos contribuir para um mundo melhor. (Diva – Curitiba)


Para mim é um projeto de reflexão. Com ele, cada uma das coordenadoras pode ter mais consciência do que é trabalhar com pessoas carentes. E também se conhecer, conhecer como cada corpo reage a cada situação a ser resolvida. Acho que esse projeto é uma luz iluminando a cabeça de cada envolvido. (Tatiana – Curitiba)


Consegui descobrir que para estar bem com o mundo teria que estar bem comigo mesmo... Descobri o meu valor e a minha importância... Consegui tomar as radias da direção da minha vida! (Evelyn – São Paulo)


Na verdade quando Mônica falou do Projeto, não tive idéia de como seria, mas ao mesmo senti com estava importante... E sabe por quê? Por que sei que tem muita gente que olha e cuida de mim... Mas o projeto era pensando na gente... E tenho orgulho de falar sobre o projeto é para mim maravilhoso. Digamos que me sinto gente da gente. (Graça – Fortaleza)


Estas respostas resumem o significado do projeto e o cuidado que ele tem com cada Ser, com cada projeto e com o desenvolvimento sustentável da Fundação Alphaville no sentido de trabalhar com pessoas centradas em seus propósitos na certeza de que estão no lugar certo fazendo o que amam fazer.


A realização deste trabalho em cada etapa foi nos mostrando o quanto é importante ser ouvido, compartilhar, ser cuidado. Ninguém dá o que não tem. Uma árvore dá frutos quando suas raízes estão fortes e nutridas. Sem a devida nutrição os frutos são fracos e doentes e esta árvore não suporta as tempestades e as interperes da natureza. Assim também somos nós, conforme nos nutrimos, nos fortalecemos, nos cuidamos em todos os sentidos: físico, mental, emocional e espiritual podemos seguir nosso propósito e realizar nosso trabalho com mais força e determinação.

A terapeuta Carla Nicolini esteve em cada região por um período de somente uma semana, com acompanhamento via internet e e-mails. Os resultados foram surpreendentes pela disponibilidade, entrega e confiança de cada coordenadora, possibilitando um olhar pra dentro e um cuidar mais verdadeiro e integro já que cada uma cuidando de si mesmo e aceitando ser cuidada passou a entender o verdadeiro valor do cuidado e ao estar com o outro cuida deste orientando-o com maior verdade, pois esta ação parte de algo que faz em seu dia a dia, algo já incorporado em seu eu.


Ao mudar o foco, ao estar mais leve, ao sentir a sua importância e a importância do outro, muitos projetos foram se abrindo em uma nova energia e perspectiva novos projetos e melhores resultados.